PALESTRA "O HOMEM FERIDO: CINEMA EUROPEU E A NOVA HOLLYWOOD"

Com o crítico de cinema Adolfo Gomes

SALVADOR (BA)
Data: 12 de maio
Horário: 15h
Local: Instituto Cervantes Salvador
Endereço: Avenida Sete de Setembro, 2792 - Ladeira da Barra.
Entrada livre

Francis Ford Coppola, Steven Spielberg, George Lucas e Martin Scorsese são alguns dos cineastas que surgiram na década de 1970 para renovar a indústria cinematográfica norte-americana da época. O movimento que se tornou conhecido como “A Nova Hollywood” é  tema da palestra que o crítico de cinema e cineclubista Adolfo Gomes ministra, no dia 12 de maio, às 15h, no Instituto Cervantes Salvador.
A atividade é gratuita e faz parte da Semana do Cinema Europeu, que também inclui uma mostra de filmes de 14 países do Velho Continente,  em cartaz de 10 a 17 de maio, na Sala Walter da Silveira (subsolo da Biblioteca Pública dos Barris). Mas o que tem a ver Hollywood com o cinema produzido na Europa? Para Adolfo Gomes, tudo.

O crítico considera a influência dos conceitos de “filme de autor”, consolidados na França, Alemanha, Inglaterra e Espanha, como fundamental para a criação do estatuto artístico, que abriu caminho para uma nova geração de realizadores revolucionar, por um breve espaço de tempo, o modo de produção dos grandes estúdios hollywoodianos. “A Nouvelle Vague francesa, o então ‘Cinema Novo Alemão’ e o Free Cinema Inglês, entre outros movimentos surgidos na Europa, ajudaram a moldar uma nova sensibilidade sobre o homem moderno, muito marcada pela experiência traumática dos dois conflitos em escala mundial; a primeira e a segunda Guerras”, contextualiza Gomes.

Já no título da palestra, “O Homem Ferido”, o crítico faz questão de mencionar essa fratura na maneira de encarar a vida e a sociedade no Pós-Guerra. “É claro que há um componente econômico - a crise da indústria decorrente da redução do público nos EUA . Mas esse afastamento se dá exatamente em razão do descompasso entre o que era retratado nas grandes produções hollywoodianas e o que acontecia nas ruas, nas relações políticas e afetivas, naquele momento particularmente de contestação, luta pelos direitos civis e da contracultura. Neste sentido, o frescor dos filmes europeus criava uma pressão enorme nas oligarquias tradicionais do cinema americano”, explica Gomes.

Metodologia

A partir de sequências-chave de filmes representativos do período, sobretudo europeus, Adolfo Gomes antecipa que a palestra pretende compor um painel da “Nova Hollywood” com foco, especial, nas trajetórias de Arthur Penn, diretor de  “Bonnie e Clyde – uma rajada de Balas” (o marco inicial e bem-sucedido do movimento norte-americano); Peter Bogdanovich, o cineasta/crítico/historiador que em plena efervescência dos anos 1970 decretaria a "morte do cinema" ("A última sessão de cinema", é o seu filme mais célebre); além de Michael Cimino, o modelo do "autor" cinematográfico imolado pela indústria, após o fracasso de "O Portal do Paraíso", historicamente associado ao fim daquela breve revolução.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...